Fatos relevantes - de 18 a 22 de fevereiro

Veja os destaques do comunicado de Dasa, Vamos e outros

Por Gabriela Freire Valente e Isabella Miranda - redação@lexisnexis.com.br

22/02

Dasa compra Dresch Martinhago
Diagnósticos da América S.A. (Dasa) adquiriu 100% de participação societária no capital da Dresch Martinhago Clínica Médica S/S LTDA.. O valor da operação não foi divulgado. Caso a aquisição se enquadre nas hipóteses previstas no artigo 256 da Lei nº 6.404/76 (Lei das S.A.), ela será submetida à ratificação pelos acionistas da Dasa em assembleia geral.

Vamos, controlada da JSL, vai emitir debêntures em até R$ 300 milhões
A JSL S.A. informou que sua controlada, Vamos Locação de Caminhões, Máquinas e Equipamentos S.A. vai realizar sua primeira emissão de debêntures, com fiança da JSL S.A., que lastrearão certificados de recebíveis do agronegócio - CRA, a serem ofertados publicamente conforme divulgado pela Vert Companhia Securitizadora. O valor é de até R$300 milhões, caso sejam exercidos os lotes adicionais, com vencimento de 5 anos e juros equivalentes à Taxa DI, acrescida de sobretaxa de 0,9% ao ano.

Debenturistas da Mills aprovam incorporação da Solaris
A Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S.A. informou que os debenturistas de suas 2ª e 3ª emissões aprovaram a anuência prévia para a incorporação, pela companhia, da Solaris Participações, Equipamentos e Serviços S.A., no contexto da combinação de negócios das empresas. Também foi aprovada a realização de operações de mútuo com suas controladas ou sociedades coligadas no montante de até R$ 25 milhões.

Subsidiária da JSL fará IPO “tão logo possível”
A JSL S.A. informou que sua subsidiária, Vamos Locação de Caminhões, Máquinas e Equipamentos S.A., avalia constantemente alternativas de captação de recursos para fortalecer sua estrutura de capital e financeira, inclusive a realização de uma oferta pública de distribuição de ações primária e secundária tão logo possível. Para tanto, a empresa mantem em contato com instituições financeiras para assessorá-la na análise e na determinação dos termos para eventual oferta. O comunicado veio em resposta à notícia veiculada pela Coluna do Broadcast do Estado de S. Paulo, sob o título “Vamos, Locadora de Caminhões da JSL, retoma planos de IPO de R$1,3 BI”.

Alpagartas aprova aumento de capital
O conselho administrativo da Alpagartas S.A. aprovou o aumento de capital social da companhia em mais de R$ 851,5 milhões, com a emissão de cerca de 117 milhões de. A bonificação ocorrerá na proporção de 25 ações para cada 100 ações possuídas em 20 de março de 2019, sendo o custo atribuído às ações bonificadas de aproximadamente R$ 7,23 por ação.

Suzano aprova empréstimo com JP Morgan
A Suzano Papel e Celulose aprovou a contratação de empréstimo com o Banco JP Morgan, no valor, em reais, correspondente a até US$ 200 milhões, com a concomitante contratação de um swap de volume equivalente ao desse empréstimo.

Janaúba Transmissora de Energia conclui captação de R$ 224 milhões em debêntures
A Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. informou que foi concluída a captação de recursos de longo prazo de sua subsidiária Janaúba Transmissora de Energia Elétrica S.A. através da emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações, no valor total de R$ 224 milhões. 

Suzano aprova empréstimo de US$ 500 milhões
O conselho de administração da Suzano Papel e Celulose S.A. aprovou a contratação pela Suzano Pulp and Paper Europe S.A. e/ou pela Suzano Austria GmbH de uma linha de crédito no exterior no valor de até US$ 500 milhões. 

Gol nega saída da família Constantino de controle
Depois de o jornal Valor Econômico noticiar que a família Constantino deixaria o controle da Gol para fusão com Smiles, a companhia aérea esclareceu que a matéria foi elaborada “sem qualquer contribuição da Gol” e que não há “fatos concretos que sustentem as afirmações contidas na reportagem com relação à potencial operação de reestruturação societária envolvendo a controlada Smiles, em especial no tocante a uma alteração da estrutura de controle da Gol e à saída da família Constantino do controle da companhia”. 

General Shopping e Outlets remarca assembleia após decisão da CVM
A General Shopping e Outlets do Brasil S.A. informa que tomou conhecimento da decisão do colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), manifestando-se pela inexistência de razões para se declarar de pronto a irregularidade da matéria submetida à assembleia geral extraordinária da companhia, originalmente convocada para 8 de fevereiro de 2019. Tendo em vista a decisão da CVM, o conselho da companhia fixou a nova data de realização da assembleia para o dia 26 de março de 2019.

Localiza aprova consórcio com empresa relacionada à gestão de frotas
O conselho de administração da Localiza Rent a Car aprovou a constituição de um consórcio entre a companhia e a Localiza Fleet S.A., empresa que se dedica à gestão de frotas automotivas. As duas companhias fazem parte do grupo Localiza Hertz.

21/02

Sinqia aprova aumento de capital
A Sinqia S.A. aprovou sua primeira emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações. As condições gerais da emissão, no valor mínimo de R$ 32 milhões e máximo de R$ 50 milhões, com prazo de vencimento de 5 anos. O valor unitário das debêntures será de R$ 1 mil.

JB Duarte aprova aumento de capital
A Indústrias J. B. Duarte S.A. aprovou o próprio aumento de capital em cerca de R$ 57,1 milhões, passando de mais de R$ 114,5 milhões para R$ 171,6 milhões, através da emissão de aproximadamente 4,8 milhões de ações, a preço de R$ 11,70 cada.

B3 anuncia revisão de projeções de alavancagem financeira e proventos
B3 S.A. – Brasil, Bolsa, Balcão, anunciou mudanças nos orçamentos de alavancagem financeira e proventos. Com relação à revisão de projeção relacionada à alavancagem financeira para 2019, o alvo de nível de endividamento ao final deste ano é de 1,5 vezes a dívida total / EBITDA recorrente dos últimos 12 meses. Já a revisão de projeção relacionada à distribuição do lucro líquido aos acionistas para o 2019, a bolsa estima distribuir de 120% a 150% (anteriormente, entre 70% e 80%) do seu lucro líquido societário aos seus acionistas, na forma de juros sobre capital próprio, dividendo e/ou recompra de ações. As projeções estão sujeitas ao desempenho dos negócios, atingimento dos objetivos de alavancagem financeira, e deliberação do conselho de administração. 

Pão de açúcar aprova aumento de capital e venda de ações
A Companhia Brasileira de Distribuição aprovou seu aumento de capital social em cerca de R$ 200 mil, aumentando os mais de R$ 6,824 bilhões, que são divididos em cerca de 266 milhões de ações. Também foi aprovado a venda de 40 milhões) de ações ordinárias detidas pela companhia na Via Varejo S.A., correspondentes à 3,09% do capital social da Via Varejo. As ações serão vendidas em leilão na Brasil, Bolsa, Balcão (B3). 

Santos Brasil aprova emissão de R$ 300 milhões em debêntures
A administração da Santos Brasil Participações S.A. aprovou a sua 4ª emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações no valor de R$ 300 milhões. A emissão será objeto de oferta pública e será adotado o procedimento de coleta de intenções de investimento dos potenciais investidores profissionais (procedimento de bookbuilding).

CSN Mineração conclui negociação de US$ 500 milhões com a Glencore
A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) informa que a controlada CSN Mineração S.A. concluiu as negociações para o fornecimento de longo prazo de minério de ferro à trader suíça Glencore International AG. A transação envolve pré-pagamento para a CSN Mineração no valor de US$ 500 milhões, referentes a um contrato de fornecimento de minério de ferro de aproximadamente 22 milhões de toneladas em 5 anos. O desembolso ocorrerá quando forem cumpridas certas condições precedentes, habituais para este tipo de transação. A operação faz parte do plano de desalavancagem da CSN.

GPA reduz participação na Via Varejo
O conselho de administração da Companhia Brasileira de Distribuição (GPA)autorizou a alienação de uma nova parcela da participação acionária detida pela companhia na Via Varejo S.A. A operação será realizada no dia 25 de fevereiro através de um contrato de TRS (total return swap) a ser firmado com instituição financeira brasileira. A alienação será de 40 milhões de ações, equivalentes a 3,09% do capital da Via Varejo S.A. Após a operação a GPA deterá 36,27% do capital social da Via Varejo S.A. A companhia almeja a alienação do remanescente da participação acionária que possui na Via Varejo S.A. para um investidor estratégico por meio de operações disponíveis no mercado de capitais.

Justiça Federal julga extinta ação civil pública contra CVM e Embraer
O Juízo da 8ª Vara Federal Cível da Seção Judiciária de São Paulo julgou extinta a ação civil pública ajuizada pela Associação Brasileira de Investidores (ABRADIN) em face da Embraer e da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Vale anuncia celebração de acordo preliminar para indenizações em Brumadinho
A Vale S.A. chegou a um acordo preliminar com a Advocacia Geral do Estado de Minas Gerais, o Ministério Público do Estado de Minas Gerais, a Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais, a Advocacia-Geral da União, o Ministério Público Federal, a Defensoria Pública da União, e representantes das comunidades atingidas pelo rompimento da Barragem I da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, para ressarcir os afetados pela tragédia. O acordo endereça de forma acelerada o adiantamento do pagamento de indenizações decorrentes do rompimento da barragem que inclui o pagamento de ajuda emergencial para todas as pessoas com registro na cidade de Brumadinho até a data do rompimento da barragem. Também serão beneficiadas as comunidades que vivem até 1 km do leito do Rio Paraopeba, desde Brumadinho até a cidade de Pompéu, na represa de Retiro Baixo. O adiantamento da indenização se dará por meio de pagamentos mensais equivalentes a um salário mínimo por adulto, meio salário mínimo por adolescente e um quarto de salário mínimo por criança, a partir de 25 de janeiro de 2019, pelo prazo de um ano. Adicionalmente, a Vale concordou com o pagamento das multas administrativas estaduais, no valor total aproximado de R$ 99 milhões.

GWI reduz participação na Gafisa para 4,89%
O Grupo GWI vendeu parte da fatia societária que detinha na Gafisa S.A., passando a possuir apenas 4,89% das ações ordinárias da companhia. Em janeiro, o Grupo GWI chegou a ultrapassar os 50% de participação na Gafisa e iniciou um processo imediato de alienação dessas ações.

Camil emitirá até R$ 720 milhões
O conselho de administração da Camil Alimentos S.A. aprovou a realização da 8ª emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações, no valor de até R$ 720 milhões. A operação será realizada com a intermediação do BB Banco de Investimento S.A., Banco Itaú BBA S.A., Banco Bradesco BBI S.A. e Banco BTG Pactual S.A.

20/02

Cade aprova permuta entre Minerva e BRF

A Minerva S.A., líder na América do Sul na exportação de carne bovina in natura e seus derivados, informa que, em 1º de fevereiro de 2019, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou o Contrato de Permuta de Ativos e Outras Avenças, relativo às Plantas de Paranatinga e de Várzea Grande, ambas localizadas no Estado do Mato Grosso, celebrada entre a Companhia e a Marfrig Global Foods S.A., tendo a BRF S.A como interveniente.

Acionistas da Fertilizantes Heringer ratificam recuperação judicial

Os acionistas da Fertilizantes Heringer S.A. ratificaram a decisão de ajuizar pedido de recuperação judicial da companhia perante a Comarca de Paulínia, no estado de São Paulo. 

Santos Brasil aprova 4ª emissão de debêntures em até R$ 300 milhões

A Santos Brasil Participações S.A. aprovou, dentre outras matérias, sua 4ª emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações, em até duas séries, no valor de R$ 300 milhões com valor nominal unitário de R$ 1 mil. 

Ultrapar aprova desdobramento de ações, falta deliberação de acionistas

O conselho administrativo da Ultrapar Participações S.A. aprovou a proposta de desdobramento das ações de sua emissão, à razão de uma ação atualmente existente em duas ações de mesma classe e espécie, bem como a modificação da quantidade de ações em que se divide o capital social da companhia. Se aprovada, a proposta será encaminhada para deliberação de seus acionistas. Esta proposta visa o reposicionamento do preço do lote mínimo de negociação das ações da Ultrapar no mercado e potencialmente possibilitar aumento no volume de negociação das ações da Companhia. Caso o Desdobramento seja aprovado, o capital social da Ultrapar passará a ser dividido em mais de 1,1 de ações. 


Geru Securitizadora troca de nome e aprova aumento de capital
Ruge Securitizadora de Créditos Financeiros S.A., nova denominação social da Geru Securitizadora de Créditos Financeiros S.A., aprovou, dentre outras matérias, o aumento de seu capital social no valor de R$1,5 milhão mediante a emissão de 1,5 milhão novas ações ordinárias nominativas e sem valor nominal, com o objetivo de reforçar o caixa da companhia.

Vale evacua pessoas perto de barragens mineiras
A Vale S.A. informa que, devido ao processo de descomissionamento da barragem a montante de Vargem Grande, decidiu paralisar temporariamente as operações deste complexo. A empresa vai coordenar com as autoridades a realocação das pessoas situadas na Zona de Autossalvamento (ZAS) desta barragem. A Vale também iniciou a preparação para a realocação das pessoas nas ZAS das barragens Forquilha I, Forquilha II, Forquilha III e Grupo, que estão inativas e se localizam no entorno da mina de Fábrica, cuja produção será mantida através do processamento a seco. No total, cerca de 75 pessoas que vivem próximas a cinco barragens devem deixar suas casas hoje de forma ordenada.

Via Varejo aprova aditivo de contrato de marketplace e distribuição de cartões
A Via Varejo S.A. aprovou o primeiro aditivo ao termo de adesão ao contrato de comercialização de produtos em ambiente virtual firmado entre Companhia Brasileira de Distribuição e a Companhia e a Cnova Comércio Eletrônico S.A. (Marketplace); e a autorização provisória para oferta e distribuição dos cartões de crédito pessoa física em lojas Ponto Frio a ser concedida ao Banco Investcred S.A. 

19/02

Cotistas da Vinci Logística aprovam desdobramento de cotas
A Vinci Real Estate Gestora de Recursos LTDA, gestora do Vinci Logística Fundo de Investimento Imobiliário – FII, e a BRL Trust Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A, informaram que os cotistas do fundo aprovaram o desdobramento das cotas da 1ª emissão em 10%. Após o desdobramento, os cotistas receberam uma nova cota para cada dez cotas por eles tituladas. As cotas advindas do desdobramento são da mesma espécie e classe, conferindo aos seus titulares os mesmos direitos das cotas previamente existentes. Também foi alterado um item no regulamento de modo a prever que, na segunda emissão de cotas do Fundo, os atuais cotistas do não terão qualquer direito preferência ou prioridade na aquisição das cotas da 2ª Emissão, cujo preço terá o valor mínimo de R$ 102,00.

Autopista Planalto aprova aumento de capital em R$ 64 milhões
A Autopista Planalto Sul S.A. aprovou seu aumento de capital da no valor de R$ 64 milhões, mediante a emissão de mais de 120 milhões de novas ações ordinárias nominativas, com preço de emissão de R$0,53. As ações serão integralizadas pela única acionista da companhia, a Arteris S.A..

Lojas Marisa aprova emissão de debêntures
A Marisa Lojas S.A. aprovou sua 6ª emissão de debêntures não conversíveis em ações, em série única, com valor total de R$ 55 milhões. Serão emitidas 55 mil debêntures com valor unitário de R$ 1 mil.

Lojas Renner avaliam emissão de R$ 400 milhões em debêntures
As Lojas Renner S.A. avaliam uma nova emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações, no valor de R$ 400 milhões. A nova emissão terá por objetivo atender o cronograma de amortizações de dívida de 2019 e a política de caixa mínimo, conforme diretrizes da política financeira da companhia.

Fundo do BTG Pactual compra participação em imóvel por R$ 62,2 milhões
A BTG Pactual Serviços Financeiros S.A., na qualidade de administradora e gestora do fundo de investimento imobiliário BTG Pactual Corporate Office Fund, informa que o fundo passou a deter participação de 27,3% de um imóvel localizado no Rio de Janeiro. O valor total da aquisição, corrigido pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), é de R$ 62,2 milhões.

Bahema esclarece que não há definição sobre aquisição de novas escolas
Em resposta a questionamentos da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Bahema esclarece que contratou o BR Partners como assessor financeiro para fins de análise e realização de estudos acerca de sua atual estrutura de capital. Com efeito, em conjunto com o BR Partners, diversas estruturas e alternativas para a capitalização da companhia estão sendo discutidas e avaliadas no momento, mas não há qualquer definição por parte da companhia ou de potenciais contrapartes de qualquer alternativa nem dos montantes envolvidos. Em relação às escolas Parque, no Rio de Janeiro, e Balão Vermelho, em Belo Horizonte, a Bahema informa que possui opções de compra para aquisição de 95% do capital social da sociedade mantenedora da Escola Parque (sendo que já possui 5% do capital social desta sociedade) e 100% do capital social da sociedade mantenedora da Escola Balão Vermelho, ao final de 3 anos, não tendo ocorrido em relação a tais investimento nenhum fato ainda novo não divulgado. A companhia ressalta, ainda, que o investimento minoritário no capital social da escola Centro Educacional Viva foi devidamente divulgado ao mercado.

18/02

Usina da Eneva na Paraíba deve ser construída antes do prazo
A Eneva S.A. informou que entregou à Techint notificação para início da implantação da UTE Parnaíba 5A e 5B, a ser instalada no Complexo Termelétrico Parnaíba, no Maranhão. O prazo de construção previsto no contrato de empreitada global é de 31 meses. Após a emissão da outorga da UTE Parnaíba V pelo Ministério de Minas e Energia, as empresas aceleraram a emissão das garantias financeiras contratuais, permitindo a antecipação do cronograma. Paralelamente, foi protocolado junto à Receita Federal do Brasil pleito para habilitação da UTE Parnaíba V no REIDI - Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infraestrutura, que garantirá a suspensão da exigência do PIS e Cofins incidentes sobre os bens, serviços e locações incorporados na obra.

Rio Bravo consulta cotistas acerca de mudanças internas
A Rio Bravo Investimentos Distribuidora de Títulos e Valores Imobiliários abriu uma consulta formal aos cotistas do Aesapar Fundo de Investimento Imobiliário – FII acerca de mudanças no regulamento do fundo e outras matérias. Uma das principais mudanças no regulamento é a inclusão de disposição que autoriza a Rio Bravo a promover as diligências necessárias para emissões de cotas do Fundo, independentemente de aprovação prévia dos cotistas e alteração do regulamento, desde que limitadas ao montante máximo de R$ 1 bilhão. Outra medida que será analisada é concretização do memorando de entendimentos (MoU) firmado com empresas educacionais, como Kroton Educacional S.A. e Anhanguera Educacional S.A., acerca da substituição de dois imóveis ativos alvo do fundo, por dois imóveis performados a serem locados pelas respectivas usuárias, integrantes do Grupo Kroton, mediante contratos de locação por encomenda, na modalidade Sale and Leaseback.  

Cambuci aprova aumento de capital em R$ 10,250 milhões
A Cambuci S.A. aprovou seu o aumento de capital social no valor de R$ 10,250 milhões, passando de mais de R$ 35,6 milhões para cerca de R$ 45,8 milhões. Serão emitidas, como consequência, cerca de 354 milhões de ações, sendo 120 milhões ações ordinárias e o restante ações preferenciais, ao preço de R$ 28,89 por cada.

Taurus assina MoU para criar joint venture na Índia
A Taurus Armas S.A. (antiga Forjas Taurus S.A.) informou que aprovou a assinatura de um memorando de entendimentos (MoU), não vinculante, para permitir o estudo de viabilidade da constituição de uma joint venture na Índia, com uma grande empresa do ramo siderúrgico local. O objetivo da joint venture, se obtidas todas as autorizações estatutárias e legais, será a fabricação e a comercialização de armas no território Indiano, de acordo com programa local denominado “Make in India” que visa desenvolver a indústria bélica local. A partir da assinatura do MoU, as partes terão até 180 dias para concluir os estudos de criação da joint venture e o plano de negócios a ser desenvolvido. Durante este período, a empresa indiana participará das licitações com os produtos Taurus, para as forças armadas e policiais.

Fundo da BTG Pactual compra prédio no RJ por R$ 62,2 milhões
BTG Pactual Serviços Financeiros S.A. DTVM, e a BTG Pactual Gestora de Recursos LTDA, administradora do Fundo de Investimento Imobiliário – FII BTG Pactual Corporate Office Fund (Fundo), informaram que o Fundo concluiu a aquisição de três pavimentos do imóvel CEO Office, no Rio de Janeiro (RJ), passando a deter participação de 27,3% da totalidade do imóvel. O valor total da aquisição, R$ 62,2 milhões cerca de R$ 13.007,44/m². Os pavimentos estão atualmente locados à TIM Celular S.A., que tem contrato de locação até agosto de 2030. O aluguel mensal atualmente está em mais de R$ 443,4 mil. 

Planner compra 18,45% da Gafisa
A Planner Corretora de Valores S.A. informou que seus fundos de investimento atingiram participação de 18,45% na Gafisa S.A. A gestora não possuía, até então, outras ações ou valores mobiliários conversíveis em ações de emissão da companhia e não é parte de qualquer acordo ou contrato regulando o exercício do direito de voto ou a compra e venda de valores mobiliários de emissão da Gafisa. A Planner possui a intenção de promover alteração na estrutura administrativa da Gafisa, comprometendo-se a manter o mercado informado a esse respeito. A gestora não tem, neste momento, o objetivo de atingir qualquer participação acionária em particular.

Vale cria comitê de segurança de barragens
A Vale S.A. informa que seu conselho de administração aprovou a criação do Comitê Independente de Assessoramento Extraordinário de Segurança de Barragens (CIAESB), que será dedicado a assessorá-lo em questões relacionadas ao diagnóstico das condições de segurança, gestão e mitigação dos riscos relacionados às barragens de rejeitos de minério da Vale, bem como recomendar medidas a serem tomadas para reforçar as condições de segurança das mesmas. Nesta mesma reunião, após processo de seleção liderado pela empresa internacional de consultoria Korn Ferry, o conselho de administração da Vale confirmou a composição final do CIAESB.

Com aval do Cade para venda, cronograma da Amazonas Energia será alterado
Centrais Elétricas Brasileiras S.A. (Eletrobras) informa que o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) divulgou o Comunicado Relevante Nº 42, informando que, após a decisão do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) sobre o pedido de anuência da transferência de controle acionário da Amazonas Distribuidora de Energia S.A (Amazonas Energia), será divulgada uma atualização do cronograma para eventos subsequentes da desestatização da referida Distribuidora. Com isso, a etapa de capitalização de dívida, por parte da Eletrobras, na supracitada Distribuidora está suspensa até que seja proferida a decisão definitiva pelo Cade. A autoridade concorrencial se manifestou favorável à transferência de controle acionário da Amazonas Energia para Consórcio Oliveira Energia – ATEM, entretanto, desta decisão cabe recurso no prazo de até 15 dias.

Previ nega negociação para venda de participação na Litel
Em resposta a questionamento da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Caixa de Previdência dos Empregados do Banco do Brasil (Previ) negou que exista negociação em andamento com Rubens Ometo ou qualquer outro terceiro para a venda de sua participação na Litel. A companhia afirmou que “continuará a se pautar pela boa-fé, cumprindo diligentemente, e orientando o BB Carteira Ativa Fundo de Investimento em Ações que assim proceda, as disposições do Estatuto Social da Litel e observando, no que lhe for aplicável, as regras do Acordo de Acionistas da Vale S.A.”. Na hipótese de virem a ocorrer tratativas visando à alienação da participação indireta da Previ no capital da Litel, esta orientará oportunamente o BB Carteira Ativa Fundo de Investimento em Ações que informe a companhia sobre assunto.

Gafisa aprova criação de comitê de reestruturação
O conselho de Administração da Gafisa aprovou a instalação de um comitê de reestruturação, não estatutário, ao qual compete estudos e análises aprofundados visando à reestruturação financeira e administrativa da companhia.

Cosan nega tratativas para comprar participação na Vale
A Cosan S.A. negou que exista qualquer tipo de tratativa ou negociação em curso com a Previ ou seus fundos a respeito da Vale S.A. A companhia esclareceu que analisa constantemente oportunidades de novos investimentos.

Ecoporto Santos retoma operações de navios
A Ecorodovias Infraestrutura e Logística S.A. comunica que o Ecoporto Santos S.A. retomou as operações regulares de navios no cais por meio da parceria com o armador italiano Grimaldi. O serviço, dedicado à movimentação de contêineres, cargas rolantes, veículos e Break Bulk, consolida o terminal como referência nas operações de navios multipropósito no porto santista. O terminal também é líder no mercado de armazenagem de cargas fracionadas (LCL – Less than Container Load). A previsão é que o Ecoporto atenda até seis escalas mensais de navios de exportação e importação, já no mês de fevereiro.

Comissão não vê conflito de interesses para posse de diretor da BRF
A BRF S.A. informa que a Comissão de Ética Pública concluiu pela inexistência de conflito de interesse no exercício imediato do cargo de Diretor Vice-Presidente Financeiro e de Relações com Investidores pelo Sr. Ivan de Souza Monteiro, estando o mesmo, portanto, desimpedido para exercer o referido cargo. Sua posse está programada para ocorrer no dia 11 de março de 2019.

Acesso restrito. Faça seu login .

Este conteúdo é exclusivo para assinantes Lexis 360

Cadastre-se gratuitamente e tenha acesso ao Lexis 360

Campo obrigatório.
Campo obrigatório.
Campo obrigatório.
Campo obrigatório.
Campo obrigatório.
Campo obrigatório.
Campo obrigatório.