Indicadores de monitoramento na gestão de riscos de terceiros

Autor: Claudio Peixoto da Silva, sócio-diretor da KPMG Brasil

ATUALIZADO

Os indicadores de monitoramento são ferramentas importantes para o acompanhamento do dia a dia das operações com os terceiros. Vale destacar que uma das características dos fraudadores é o conhecimento do ambiente de controle interno da empresa, portanto, é recomendado que esses indicadores não sejam públicos, dificultando o envolvimento de um possível fraudador na operação. A seguir, alguns indicadores que podem ajudar a administração nessas atividades:

  • prazo médio de pagamento – normalmente os pagamentos fraudulentos não seguem a tendência dos pagamentos regulares da empresa;

  • data da abertura do CNPJ do terceiro – certas empresas podem ser criadas com o fim específico de cometer uma fraude; portanto, CNPJs recém-criados devem ser monitorados;

  • pagamentos manuais ou pagamentos por fora do sistema – pagamentos que não seguem o processo normal da empresa devem ser monitorados, pois podem indicar a ocorrência de fraude;

  • prazo entre pedido e entrega – em um processo normal, a empresa realiza o pedido de seus produtos, e o fornecedor tem determinado prazo para entregá-los. Deve-se ficar atento a prazos muito curto entre a data do pedido e a data da entrega; e

  • notas sequenciais do terceiro – pode indicar que o terceiro não tem outro cliente e, portanto, trazer riscos trabalhistas (caso a empresa decida descontinuar o contrato) ou até riscos de fraude (sugerindo que o terceiro tenha sido criado apenas para atender essa operação).

Veja também a Nota Prática Monitoramento periódico e o item Programa de monitoramento na Nota Prática Avalie os riscos.

Este conteúdo é exclusivo para assinantes Lexis 360

Cadastre-se gratuitamente e tenha acesso ao Lexis 360

Campo obrigatório.
Campo obrigatório.
Campo obrigatório.
Campo obrigatório.
Campo obrigatório.
Campo obrigatório.
Campo obrigatório.